! ENTREVISTA: TRABALHADOR DA FORD CONTRA AS REFORMAS - Território Livre

ENTREVISTA: TRABALHADOR DA FORD CONTRA AS REFORMAS

Conversamos com um ex-operário da Ford, que agora trabalha no administrativo, durante um ato contra as reformas trabalhista e previdenciária.

TL: Como você vê a proposta do governo de ampliar a terceirização?

A terceirização é ruim porque acaba com todos os direitos do trabalhador, férias, aposentadoria… Aí o trabalhador passa a ter que se responsabilizar pelo seu ambiente de trabalho, ou seja, ele vai prestar o serviço dele, se quiser trabalhar vai, se não quiser não vai, só que vai ter que arcar com convênio médico, com uma previdência privada. Com o crescimento do desemprego vai começar uma guerra de trabalhador contra trabalhador, as pessoas vão começar a aceitar ficar trabalhando nem que seja pra receber 100 reais por mês. E aí o salário vai lá embaixo.

TL: Como a reforma da previdência também prejudica o trabalhador?

Você trabalha 49 anos e tem que contribuir até com 65 anos, não é certo, nenhum brasileiro consegue resistir a isso. Falam que a nossa taxa de mortalidade tá acima dos 80 anos, mas é mentira, a maioria dos brasileiros tá enfartando com 50, 40, 60 anos…

Outra coisa, não é justo um político trabalhar oito anos, quatorze anos, dezesseis anos que seja, e aposentar com um salário de marajá de 30 mil reais. O que ele contribuiu com o país? Nada! Eles estão lá pra defender os nossos direitos, só que eles tão defendendo apenas o direito deles. A gente sabe o que é melhor pra gente e o que não é, eles tão lá pra administrar a casa e infelizmente não é isso que tá acontecendo. Não é digno a gente trabalhar igual eles querem que a gente trabalhe. Passar 49 anos da nossa vida, e aposentar com o salário menor e o político que trabalhou oito anos aposenta com o salário de marajá…

TL: As reformas querem colocar um trabalhador contra o outro…

Eu acho que o verdadeiro rombo da previdência não somos nós, os trabalhadores, porque a gente trabalha pra fazer essa engrenagem do país girar, e os políticos, são os que mais tão levando. Sobre a terceirização, é um descaso com o trabalhador, com os benefícios que foi batalhado até hoje, com o salário que foi batalhado até hoje, conquistado até hoje, com os direitos do trabalhador.

Nós já trabalhamos terceirizados dentro de uma montadora no ABC, e o que acontece é a empresa passa um salário altíssimo pra terceirizada e ela pagava um salário baixíssimo pra gente. Defasava o nosso trabalho. Quanto menor o salário, quanto menor o que as pessoas receberem, menos a gente pode contribuir com o crescimento do país, cai a produção, cai a montagem, cai o trabalho, se cai o trabalho tem mais gente desempregada, então fica o caos no país

Mais riscos de acidente, porque o trabalho vai ser escasso… Nos Estados Unidos, eu li uma vez, na Ford tem trabalhador e mão de obra PJ [pessoa jurídica], que é o que eles estão falando de terceirização hoje. O cara trabalha sem EPI [Equipamentos de Proteção Individual], o cara leva se ele quiser, só que o EPI é pra todo mundo, você tá lá, você tá correndo o risco de ser prejudicado, de sofrer um acidente.

Então assim, eu tenho plena certeza que essa reforma da previdência não é a melhor saída e a terceirização são três passos para trás sem volta. Da pra ver lá no nosso trabalho, na montadora.

TL: Como você acha que é possível derrotar essas reformas?

A CLT é a única coisa que permite que o trabalhador seja um cidadão hoje em dia. A respeito da previdência, político não tem que receber aposentadoria, se quer receber uma aposentadoria, que receba uma com 20, 25 anos, e que seja igual para todos os trabalhadores, nós brigamos por direitos iguais.

Eu acho super legal o cara trabalhar a vida inteira, ganhar 10.000 reais, chegar a se aposenta com salário integral e segue sua vida, agora lá na empresa o cara ganha 10.000, se aposenta e o salário cai pra 5 ou 2 mil, acho completamente injusto. Se vai arrumar a previdência não é pra descontar no trabalhador, é pra resolver entre eles.

TL: E como você vê o potencial dessa manifestação pra mostrar pra eles que a gente tá de olho nesses ataques todos?

É aquela história da formiga e do elefante, pegando fogo em toda floresta, todos os bichos queimando, e a formiguinha levando uma gotinha d’água, o elefante parou e perguntou pra formiga: o que você tá fazendo com uma gota? Tô tentando apagar o fogo, se todos fizerem a sua parte, acredito que a gente consegue apagar o fogo.

Infelizmente, nós não temos todo o brasil do nosso lado, tem pessoas que são contra, mas eu to tentando fazer a minha parte, pra mim, pros meus filhos que ainda virão, pros meus netos que ainda virão, então acho que assim, se cada um fizesse sua parte a gente chegaria lá, e hoje, essa manifestação, que eu vejo que tá ocorrendo, é um pontapé inicial pra que isso possa chegar num fim.