! saber secreto: é possível romper com as eleições? - Território Livre

saber secreto: é possível romper com as eleições?

A cada dois anos no Brasil a cena se repete: santinhos, falsas promessas, carros de som a todo volume. As eleições são um dos momentos em que se pode ver a decadência da burguesia. O sentimento de revolta contra o sistema político se manifesta. O povo sente que esse sistema não pode dar soluções aos seus problemas. Isso é muito bom. A partir desse sentimento é possível desmascarar o poder burguês e avançar na construção de um poder independente. Por isso é muito importante perguntar: qual deve ser a postura dos revolucionários nas eleições burguesas?

A democracia burguesa é uma forma de dominação, e as eleições nessa forma não passam de uma farsa. O processo serve para dar a ilusão de escolha, mas no fim vencem sempre os candidatos burgueses. O capital tem pleno controle do processo. Por isso, muitos lutadores defendem o boicote às eleições. Embora o boicote possa ser correto às vezes, a história das lutas mostra que ele não deve ser adotado em todos os momentos e em todas as eleições. O partido bolchevique, que dirigiu a tomada do poder pelos trabalhadores na Rússia em 1917, deixou uma importante lição quanto a isso.

Em momentos diferentes os bolcheviques defenderam o boicote às eleições. Foi assim em 1905 e também em 1906, com resultados diferentes. Em 1905 as eleições foram canceladas por causa do boicote! Mas em 1906 isso não se repetiu. Isso porque em 1905 havia um movimento de massas crescente, com greves e grandes atos de rua.Naquele momento histórico, a própria ação das massas impediu a convocação das eleições e fez o poder oficial na Rússia tremer. Em 1906, o movimento entrou em refluxo. Não havia atos ou greves fortes. Não havia uma força concreta que pudesse impedir as eleições, e elas aconteceram. Os bolcheviques sofreram um duro aprendizado: foi um erro ter chamado o boicote em 1906.

Mas não chamar o boicote não pode significar a adaptação ao sistema político da burguesia, como a esquerda faz hoje. Se não é correto boicotar as eleições quando não há força para derrotá-las na prática, também não é correto fazer promessas sobre resolver os problemas da população para se eleger. Esse sistema político não pode resolver os problemas da população, e os lutadores também aprenderam essa lição de forma dolorosa. Os partidos da II Internacional se elegeram em nome dos trabalhadores e terminaram votando os créditos da Primeira Guerra Mundial. Jogaram os trabalhadores dos diferentes países para atirarem uns nos outros!

A democracia burguesa é uma forma de dominação. Mas entre as formas que existem, ela é a forma mais conveniente, porque ela possibilita a organização dos trabalhadores. Nas eleições, os revolucionários devem atuar para fortalecer a organização independente da classe trabalhadora. É preciso aproveitar o momento para dialogar com a revolta popular, mas sem medo de dizer a verdade.

Os revolucionários não podem prometer falsas soluções. O sentido de sua atuação é denunciar as maracutaias, a corrupção e a exploração. E dizer a verdade, que só o povo organizado é capaz dar solução a seus próprios problemas. Preparam, assim, a futura destruição do poder burguês.