! não cabemos na lógica dos petistas e temos orgulho disso! - Território Livre

não cabemos na lógica dos petistas e temos orgulho disso!

Esta é nossa única resposta aos petistas que nos criticam. No fundo os petistas que nos atacam nos invejam porque somos livres. Livres do que? Livres das relações espúrias com a burguesia e o capital que a maioria dos petistas, direta ou indiretamente, mantém. Podemos, sem medo, e de forma dura, criticar e condenar todos os burgueses, sejam do PT ou do PSDB (ou PMDB e todo o lixo partidário burguês). Colamos cartazes estampando “Fora Dilma” em fevereiro/março de 2015 e ajudamos a quebrar Alckmin ao final de 2015. Temos orgulho disso.

Possivelmente ninguém xingou tanto o Alckmin quanto nós durante as ocupações de escolas. Possivelmente poucos apanharam tanto da polícia do Alckmin quanto nós e nossos camaradas de rua em vários atos em 2013, 2014, 2015 e 2016. Tivemos dezenas de militantes presos pela polícia de Alckmin e não baixamos a cabeça. Odiamos esse burguês, bem como o Aécio, bem como este sistema político burguês e seus partidos burgueses.

E é justamente por isso que também odiamos Lula e o PT. Nosso ódio não é seletivo; é de classe. Não falamos “mais amor por favor”.

Temos tática e agimos guiados por ela. Sabemos atacar um inimigo de cada vez, começando pelos mais perigososos, os que são mais importantes para manter o equilíbrio da ordem burguesa. Lula e o PT são mais importantes para a burguesia porque controlam a classe trabalhadora e a juventude com seus braços sindicais e estudantis pelegos, muito bem pagos. Nós sabemos quais cartas devem ser derrubadas para o castelo burguês vir abaixo. Sabemos que aprofundar a crise burguesa é aprofundar a paralisia burguesa, e sabemos que isso abre brecha para uma possível ação autônoma e independente da classe trabalhadora. Aprofundar a crise política da burguesia cria condições favoráveis para a construção de uma alternativa política revolucionária da classe trabalhadora.

A queda de Dilma e a prisão de Lula necessariamente criarão uma alternativa revolucionária? Não. É necessário ter uma política audaz e militar seriamente para construí-la. Uma nova vanguarda não surgirá apenas de nós, mas da depuração dos atuais grupos de esquerda e de seus elementos mais combativos que se unirão na luta.

O impeachment de Dilma e a prisão de Lula não são um golpe à democracia, pelo contrário, tendem a afirmar a democracia burguesa. A democracia burguesa, se comparada a outras formas de regime burguês (como militar ou populista-autoritário) é melhor para a classe trabalhadora organizar-se e para a construção de uma organização revolucionária. O impeachment de Dilma e o fim do projeto Lula-2018 são um golpe só para aqueles que vivem mamando no Estado burguês, ou seja, no suor da classe trabalhadora brasileira.

A queda de Dilma e a prisão de Lula necessariamente fortalecerão a democracia burguesa? Não. Com a queda do PT e a consequente liberação das energias represadas da classe trabalhadora é possível que se abra uma conflito de classe violento, do qual não é possível saber o resultado (podendo até levar a um governo militar diante do ascenso da revolta popular). Mas cabe perguntar: diante dessa incógnita sobre o futuro o melhor a se fazer é calar de forma covarde e afiançar a conciliação de classes? O melhor é ver a classe trabalhadora perder emprego e salário, ficar revoltada contra este governo, e não encontrar forma de organizar-se num projeto à altura de sua revolta? É melhor deixar a classe trabalhadora amargurada pela sua própria paralisia? Sabe-se bem que foi exatamente sobre a amargura e paralisia da classe trabalhadora, em momento de crise, que cresceu o fascismo na Europa na década de 1930. A política vacilante da esquerda nesse período abriu espaço para a extrema-direita.

“Ah, mas vocês não tinham outro momento para fazer esse ataque ao PT? Justo agora perto do ato da direita?” Para os petistas e semi-petistas nunca haverá o momento certo de atacar de verdade Lula e Dilma. Eles sempre inventarão uma desculpa e afirmarão que não é a hora. Basta ver quantos sapos sua militância engole desde 2002, suportando a subserviência mais vergonhosa e repugnante ao grande capital e setores reacionários.

Hoje a verdade está com a maioria da população, sobretudo com a vanguarda operária das fábricas e grandes locais de trabalho. Acreditamos nela e ouvimos ela, e não os comentaristas de facebook, em geral da pequena-burguesia, acomodados com sua situação no capitalismo, mantenedores de um projeto falido historicamente, que hoje nos criticam.

Liberar as energias da classe trabalhadora e da juventude revolucionária!
Construir uma alternativa de esquerda revolucionária!
Lula na prisão, Fora Dilma!

[na imagem, detalhe de cartaz feito pelo TL junto com a Frente do Voto Nulo, pregando que Dilma é igual a Aécio. E também detalhe de cartaz do TL colado em fevereiro de 2015, falando “Fora Dilma”]