! voto nulo versus esquerda? - Território Livre

voto nulo versus esquerda?

Alguns lutadores da esquerda têm nos acusado de fazer uma campanha pelo voto nulo contra a própria esquerda; que deslegitima a já frágil esquerda nacional, etc.

Isso não é verdade. Antes de tudo, reafirmamos: nosso voto é contra as principais candidaturas burguesas à presidência: Dilma, Aécio e Campos. O alto índice de voto nulo popular é a prova da rejeição desses candidatos, e é com esse sentimento que queremos dialogar.

É verdade que há também um grande descontentamento em relação aos candidatos a governador e aos candidatos-piada ou candidatos-corruptos a deputados. Por isso o voto nulo é contra eles também. Em suma: nosso voto é contra todo o sistema eleitoral e político falido da burguesia.

Entretanto, é inegável que há nos pequenos partidos de esquerda lutadores legítimos da classe trabalhadora e da juventude que contribuem cotidianamente para várias lutas, muitos dos quais estão se candidatando. Não somos contra o voto nesses lutadores onde houver chance real de eleição, pois ela pode ajudar efetivamente a luta geral da classe trabalhadora nas ruas, nas greves, etc., inclusive para desmascarar a democracia burguesa.

Não vemos contradição entre votar localizadamente em alguns lutadores e esfregar o voto nulo na cara dos grandes parasitas candidatos a governo e a presidente.

Pensamos que esfregar o voto de protesto na cara deles é um importante ato político que a população tem o direito de fazer, visando expressar sua indignação. Na atual fragmentação da esquerda, expressar dessa forma a revolta popular pode dar mais frutos para a luta geral da classe trabalhadora que uma pequena expressão partidária.

Por isso, longe de ser um voto contra a esquerda, nosso voto é o contrário: na medida em que faz expressar a revolta e a força da classe trabalhadora e na medida em que deslegitima o sistema político e eleitoral burguês, o voto de protesto cria condições políticas favoráveis para o próprio fortalecimento da esquerda.

Chamamos todos os legítimos lutadores da esquerda a fazer uma UNIDADE CONTRA A FARSA ELEITORAL BURGUESA, organizando atos de rua, panfletagens e debates no próximo período.